contato@desenvolvendosites.com.br (11) 4335-6178 (11) 97433-0278

Blog

Quarta, 18 Outubro 2017 03:49 Blog

Google Analytics ganha ferramentas para e-commerce

O Google Analytics ganhou ema nova ferramenta de análise de dados para e-varejistas. Com ela novidade, chamada de Enhanced Ecommerce, os lojistas poderão acompanhar mais dados sobre o comportamento dos consumidores na web e conversão de vendas. “Comerciantes serão capazes de entender o quanto usuário estão dispostos a chegar no processo de compra”, disse o Google.

A empresa tem como objetivo facilitar para os donos de e-commerce a coleta informações mais precisas sobre seus clientes em seus sites e gerar relatórios.

Os relatórios gerados podem medir a quantidade de produtos que cada visitante vê, adiciona ou remove de seus carrinhos de compra, quantos abandonam ou completam transações. Além disso, será possível ver taxas de conversão por produto e o valor médio dos pedidos feitos na loja, assim como os casos de reembolso. Os e-varejistas poderão usar Enhanced Ecommerce por marca ou categoria de produto, criando relatórios customizados.

O recurso faz parte da versão grátis do Google Analytics e está em versão beta, mas a versão final deve estar pronta nos próximos meses. Um curso de treinamento para que os lojistas saibam mais como utilizar a plataforma também será disponibilizado na Google Analytics Academy. A ideia é oferecer suporte para os empresários de e-commerce, principalmente os de pequenas companhias que normalmente não têm um especialista dedicado à tarefa de monitorar métricas da loja virtual.

A ferramenta também permite realizar o acompanhamento de promoções, para saber dados precisos sobre taxas de cliques em banners de liquidação, por exemplo. Além disso, os varejistas podem gerar relatórios sobre receitas e transações vindas de afiliados ou cupons de promoção.

Quarta, 18 Outubro 2017 03:13 Blog

O que é um site responsivo?

Sites com layouts responsivos são sites que se ajustam automaticamente de acordo com o dispositivo (Computadores, celulares, tablets, etc)

Dessa forma sua aparência é alterada automaticamente de acordo com o tamanho da tela do usuário, por exemplo, em um celular que possui uma tela pequena os elementos vão se ajustar automaticamente tornando visível o conteúdo mais relevante sem precisar rolar a tela e sem precisar utilizar o zoom para visualizar o conteúdo, tornando a experiência mais agradável.

Nossos projetos são criados com layouts responsivos e sem custo adicional

Quarta, 18 Outubro 2017 02:41 Blog

Crescem as vendas no varejo on-line em dispositivos móveis

O acesso e o fechamento de compras no varejo on-line por meio de aparelhos como celulares e tablets cresceu de forma rápida em 2014, segundo empresas do setor.

Na B2W Digital, que reúne Americanas.com, Submarino e Shoptime, a conexão através de dispositivos móveis atingiu 24% do tráfego total no quarto trimestre de 2014. No mesmo período de 2013, a parcela havia sido de 12%.

Também na Cnova, que inclui o e-commerce de Extra, Pontofrio e Casas Bahia, as vendas concluídas por meio de smartphones e tablets saltaram de 4,4% em 2013 para 10,5% no ano passado.

Os números mostram que, apesar do avanço, o percentual de internautas que usam os meios móveis apenas para consulta ainda é maior.

“A participação do smartphone na compra é menor, mas o aparelho cada vez mais influencia na decisão do consumidor”, diz Romero Rodrigues, CEO global do Buscapé.

Em 2014, os acessos ao comparador de preços pelo mobile atingiram 32% –eram 13% no ano anterior. Hoje, aos finais de semana, há picos de até 40%.

Entre os consumidores que preferem os computadores tradicionais, as principais razões são o receio com a segurança e a falta de praticidade para obter detalhes do produto em uma tela menor.

“Há ainda uma boa parcela que paga com boleto e precisa usar o computador para imprimir o documento”, diz Rodrigo Borer, presidente do Buscapé na América Latina.

Importação de bens de consumo cai 70% no 1º tri

O setor de importação de bens de consumo reduziu em cerca de 70% as compras de mercadorias no primeiro trimestre deste ano, em comparação com o mesmo período de 2014, puxado pelo câmbio desfavorável.

Este deverá ser o pior ano do segmento em dez anos, segundo a Abcon (que representa as empresas importadoras de utilidades domésticas, presentes e confecções, entre outros artigos).

“Nem quando o dólar chegou a R$ 4 [em 2002] foi tão ruim, pois a confiança do consumidor era elevada e eles aceitavam pagar mais pelo produto”, diz Gustavo Dedivitis, presidente da entidade.

As mercadorias de bens de consumo importados estão entre 30% e 40% mais caras.

Um jogo de jantar, por exemplo, que em dezembro custava R$ 276, não é encontrado por menos de R$ 380, segundo o executivo.

“Esse é o momento para as fabricantes brasileiras tentarem se sobressair aos importados em relação a preços. “

Alguns empresários que contrataram financiamentos específicos para esse setor passaram a arcar com débitos maiores que o planejado, devido à cobrança em dólar.

“Mesmo as empresas que não compraram com o dólar alto reajustaram os preços.”

O setor faturou R$ 9 bilhões em 2014, 18% a menos que no ano anterior.

Mais contas no fim do mês

O percentual de famílias endividadas no país cresceu em março, na comparação com o mês anterior, segundo a CNC (Confederação Nacional do Comércio).

O número saltou de 57,8% para 59,6% no período –a parcela inclui famílias que têm algum tipo de despesa a pagar, mas não necessariamente contas vencidas.

A elevação no custo de vida causada pelo reajuste de preços de itens como energia e gasolina foi um dos motivos para o crescimento, de acordo com Marianne Hanson, economista da entidade.

“O início do ano já é um período em que, por questões sazonais, como pagamentos de impostos, ocorre uma elevação no percentual de famílias endividadas”, afirma.

“Com o aumento de preços causado por pressões inflacionárias neste início de 2015, houve um maior comprometimento da renda.”

O percentual de famílias que tem dívidas em atraso também registrou uma leve evolução no período, de 17,5% em fevereiro para 17,9% no mês seguinte.

O cartão de crédito apareceu como o principal motivo do endividamento (73,4%), seguido por carnês (18,2%), financiamentos de carro (14,4%) e da casa (8,3%).

Duráveis compactos

A intenção dos brasileiros em comprar aparelho celular e computador teve a maior parcela em um mês de janeiro desde o início da série histórica da Fecomércio-RJ, em 2007, segundo estudo encomendado à consultoria Ipsos.

Dos 17,6% dos brasileiros entrevistados que pretendem adquirir algum bem durável até abril deste ano, 14,8% querem comprar um celular e 10,7% um computador.

“Itens de maior valor e que antes recebiam incentivos do governo, como carros e produtos da linha branca, passaram a competir por espaço com produtos de tecnologia”, afirma Christian Travassos, economista da federação.

A televisão é o artigo mais cobiçado, com 15,4%. Entre os eletrodomésticos, a geladeira lidera, com 12,7%.

Em janeiro de 2014, a parcela disposta a comprar bens duráveis era de 17,9%.

“Em meio ao cenário pelo qual o país passa, se manter no mesmo patamar é uma boa notícia”, diz Travassos.

Usados em alta

Apesar da desaceleração econômica, imobiliárias registraram aumento na comercialização de imóveis residenciais usados na região metropolitana de São Paulo.

Nos dois primeiros meses deste ano, as vendas aumentaram 9,7% na Lello Imobiliária, na comparação com o mesmo período de 2014.

“Esse desempenho é um reflexo da crise, que tornou o imóvel usado mais barato e seguro em relação aos que ainda estão na planta”, afirma Igor Freire, diretor da imobiliária paulista.

Outro fator que alavancou as vendas no período foi a disponibilidade de crédito, diz Freire. “Cerca de 80% das negociações foram fechadas por meio de financiamentos concedidos pelos bancos.”

O valor médio negociado de casas e apartamentos na Lello girou entre R$ 600 mil e R$ 750 mil. O tipo de imóvel mais procurado foi o de dois quartos com, pelo menos, duas vagas na garagem.

A elevação da procura de usados na região não indica recuperação do segmento, diz Rodrigo Gordinho, da Lopes Imobiliária. “Temos que lembrar que ainda há um grande estoque de lançamentos que estão sem destino”, avalia.

fonte: http://www1.folha.uol.com.br/colunas/mercadoaberto/2015/03/1608250-cresce-a-participacao-de-dispositivos-moveis-em-compras-no-varejo-on-line.shtml

Calendário

« Dezembro 2017 »
Seg. Ter Qua Qui Sex Sáb. Dom
        1 2 3
4 5 6 7 8 9 10
11 12 13 14 15 16 17
18 19 20 21 22 23 24
25 26 27 28 29 30 31